Imagem do artigo

Como humanizar a gestão de pessoas na pandemia

Avatar
Escrito por Certificado Digital
Nota dos leitores
para este artigo:
6

O grande índice de trabalhadores com a saúde mental abalada em função da pandemia e o modelo de trabalho remoto, que virou realidade para grande parte das pessoas, têm preocupado gestores e profissionais da saúde. Continue a leitura e saiba como é possível tornar a gestão de pessoas na pandemia mais humanizada com uma mudança de prioridades e conceitos.

Pandemia, trabalho e os impactos psicológicos: por que humanizar a gestão de pessoas é algo urgente?
Desde o início da pandemia, grande parte das empresas, seus gestores e funcionários se viram obrigados a adaptar a forma de trabalho para o home office. Um modelo que, em outras situações, representava o desejo de muitos colaboradores por conta da flexibilidade, acabou desencadeando insatisfações, desgastes e sintomas emocionais.

Por outro lado, trabalhadores de atividades essenciais ou que precisaram continuar a trabalhar presencialmente enfrentam o medo de expor a si próprios e seus familiares à Covid-19.

Em ambos os casos, o cenário pandêmico somado à rotina de trabalho tem afetado a saúde mental de trabalhadores. Pesquisa realizada pela consultoria estratégica Oliver Wyman, realizada entre os anos de 2020 e 2021, apontou que:

  • 68% dos trabalhadores sentiu piora na carreira ao longo do último ano – as duas principais razões foram impacto na renda (37%) e saúde mental (37%);
  • 32% dos trabalhadores precisaram buscar ajuda para tratar depressão ou ansiedade causadas pelo impacto na saúde mental e na renda, decorrentes do trabalho.

Em complemento, uma pesquisa da Oracle especificamente sobre home office durante a pandemia, mostrou que 87% dos brasileiros têm enfrentado problemas enquanto trabalha remotamente:

  • Carga horária excessiva – 42% estão trabalhando mais de 40 horas a mais por mês;
  • Síndrome de Burnout – 21% relataram casos de esgotamento profissional, que afeta aspectos físicos e emocionais da pessoa;
  • Vida pessoal X vida profissional – 43% deles não conseguem separar as atividades;
  • Queda no desempenho – 66% afirmam que o estresse, ansiedade ou depressão no local de trabalho contribuíram para a redução da eficiência e engajamento no trabalho;
  • Insegurança – 61% possuem dificuldades para tomar decisões no trabalho.
  • Vida doméstica afetada – 90% afirmaram que problemas de saúde mental no trabalho afetaram a vida pessoal em casa;
  • Pressão e tarefas exaustivas – 44% afirmam sentir pressão para atender a padrões de desempenho e 39% dizem ter cargas de trabalho imprevisíveis.

Existem sinais que demonstram que um colaborador pode estar passando por exaustão profissional ou desgaste emocional. Fique atento se os seu/s funcionário/s:

  • Apresenta queixas recorrentes de dor de cabeça, dor cervical e/ou dor de estômago;
  • Parece distante e não interage com a equipe como antes;
  • Fica muito tempo com a câmera desligada em reuniões (se esse é um hábito presente em sua empresa);
  • Está com fala e semblante inexpressivos, tristes ou desanimados;
  • Demonstra queda na produtividade.

Como humanizar a gestão de pessoas durante a pandemia no home office

  1. Considere mudar suas prioridades –Se antes os gestores se preocupavam mais em controlar a carga de horário diária dos funcionários, uma mudança válida é focar mais no cumprimento de prazos das entregas e em manter a qualidade dos trabalhos.
    Quando transferimos o local de trabalho do escritório para o lar de cada um da empresa, é praticamente inviável padronizar os horários de todos, durante todo o expediente. Considere que cada pessoa tem uma rotina dentro de casa, que envolve familiares, horários de pausa, eventuais obrigações domésticas, entre outras questões. Adicione a isso os impactos emocionais que uma pandemia causa – como preocupação com a saúde própria e de familiares, luto, crises socioeconômicas no país, sensação de incerteza sobre o futuro – é natural que cada colaborador tenha seu modo de produzir alterado.
  1. Tenha os processos de trabalho bem estabelecidos –Se organizar processos de trabalho, alinhar entre todos da equipe e mantê-los em funcionamento já é uma tarefa árdua quando todos trabalham no mesmo local, em tempos de home office pode ser ainda mais desafiador. Por isso, é importante investir tempo antes de começar cada projeto para estruturá-lo, distribuir funções, explicar o que e como tarefa deverá ser feita e qual o prazo de entrega.
    Isso evita refações de trabalho, acúmulo de tarefas, desvio de função, reuniões desnecessárias e sobrecarga de última hora para cumprir com prazos – tudo o que contribui para o esgotamento profissional e mau aproveitamento do tempo. Para evitar essas situações:
  • Use plataformas de gerenciamento de projetos, que permitem que todos visualizem o que está por fazer, o que está em andamento e o que foi concluído. Alguns exemplos são o Trello e o Monday;
  • Tenha um canal para se comunicar com todos da equipe – para evitar perder tempo com mensagens individuais. O ideal é que seja uma plataforma exclusiva para o uso profissional, como o Slack e Skype;
  • Faça uma reunião fixa no início de toda semana com todos da equipe para alinhar as tarefas e discutir os projetos. Se necessário, marque um follow up no meio da semana para acompanhar o que está em andamento e se há alguma dificuldade.
  1. Reconheça e recompense de forma justa quem trabalha com você –Sabe-se que a pandemia trouxe insegurança financeira para todos, inclusive donos de empresas, sobretudo as micro e pequenas. Desde o início da pandemia, a maior parte das pessoas que sente piora em relação à carreira teve o salário diminuído. Os colaboradores são responsáveis por permitir que seu negócio continue em funcionamento e estão trabalhando para isso, assim como você.
  • Certifique-se que sua equipe é remunerada adequadamente, de acordo com o cargo e tempo de trabalho;
  • Incentivos e reconhecimento devem ser expressados em atitudes e palavras, mas a questão financeira é um ponto essencial;
  • O reconhecimento não deve ser medido com base no retorno financeiro que o colaborador proporciona, necessariamente. Considere outros fatores, como engajamento no trabalho, prestatividade, participação em ideias e resolução de problemas etc.
  1. Programe-se para imprevistos, que fazem parte do novo modelo de trabalho –Considere que, assim como você, em home office as pessoas estão sujeitas a ruídos externos durante a reunião, problemas elétricos, falhas nos equipamentos para trabalho. Podem precisar se ausentar por determinado tempo para atender a necessidades de filhos pequenos, familiares idosos, ou até mesmo ficar doente em razão da covid-19 ou outro problema de saúde.
    Ter um planejamento que considera imprevistos como esses é uma forma de não colocar sua equipe em estresse para resolver problemas de última hora, ou fazer com que funcionários se sintam culpados por terem que cuidar da própria saúde.
  • Tenha contato de pessoas de confiança, como freelancers, que podem fazer algum trabalho pontual caso algum colaborador precise se ausentar;
  • Programe prazos de entrega de trabalho realistas, que considerem imprevistos cotidianos e até dias de menor produtividade, que podem acontecer;
  • Caso consiga, ofereça estrutura da empresa para colaboradores que possuem aparelhos em mau estado para o trabalho, como notebook, webcam, microfone etc.
  1. Monitore os tempos de pausa dos colaboradores –Não estamos mais nos referindo ao velho controle de horário de pausa para o café ou almoço. Em tempos de home office, uma das práticas que mais levam o colaborador à exaustão profissional é a mistura do tempo de trabalho com a vida pessoal doméstica. Por mais que os horários de trabalho estejam mais flexíveis, é importante estipular o horário de início e encerramento das atividades, e ficar atento se os funcionários não estão trabalhando a mais.
  • Incentive que seus colaboradores façam pequenas pausas a cada uma hora de produção;
  • Não aceite que façam horas extras ou trabalhem aos finais de semana, ao menos que seja algo combinado com antecedência e que esteja de acordo com as normas trabalhistas;
  • Combine com a equipe que turnos de trabalho feitos fora do horário, como tarde da noite, por exemplo, devem ser compensados com descanso proporcional durante o dia;
  • Dê o exemplo! Não mande mensagens e e-mails para a equipe fora de hora ou faça algo que indique que trabalhou até tarde ou aos finais de semana. Alguns colaboradores podem se sentir coagidos a fazer o mesmo.

Conteúdos relacionados no site da Serasa Experian

Este artigo lhe foi útil?

Dê sua nota e comente abaixo:
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10

Obrigado pelo seu voto!

Ele será muito importante para nossa avaliação
Usamos cookies para personalizar o conteúdo, adaptar e medir anúncios, além de oferecer uma experiência mais segura a você. Ao continuar a navegação em nosso site, você concorda com o uso dessas informações. Leia nossa Política de Cookies e saiba mais.
×
Assine nossa newsletter | Assine a newsletter e receba as últimas novidades no seu email.