O Certificado Digital é o principal aliado dos bancos naquela que deve ser considerada uma nova fase na relação de consumo entre as instituições bancárias e seus clientes. Para isso, é necessário que o mercado financeiro invista cada vez mais em tecnologia para garantir segurança. A avaliação é de Antonio Cangiano, diretor-executivo da ANCD (Associação Nacional de Certificação Digital).

 

Para o executivo, os prováveis usuários desta modalidade de conta bancária precisam ter confiança no sistema e a garantia de que as possibilidades de fraudes sejam mínimas. “O Certificado Digital é atualmente uma das mais seguras e acessíveis ferramentas”, afirma. “Como ele gera uma assinatura única a cada uso, com o uso da criptografia, é praticamente impossível que se tenha algum tipo de fraude”, completa.

 

Cangiano aponta que os lucros das instituições tendem a crescer com a popularização das contas virtuais, já que vários gastos relacionados às contas físicas/presenciais são eliminados. “Para o cliente são oferecidos os mesmos serviços, com a facilidade de permitir o acesso em qualquer lugar, em qualquer horário, a partir de um computador, tablet ou smartphone.”

 

Em abril de 2016, o Conselho Monetário Nacional (CMN) determinou que bancos com atuação no país ofereçam aos clientes a possibilidade de abrir contas correntes e poupança por meios virtuais, mediante uso de certificação digital com biometria. O objetivo do Banco Central com esta decisão é agilizar processos de maneira segura, sem riscos para clientes e instituições bancárias.

 

Banco do Brasil e Itaú revelaram recentemente ter maior rentabilidade com clientes que usam plataformas online (contas bancárias digitais). O Banco do Brasil diz que o consumo de produtos e serviços é 40% maior nas contas digitais em relação a quem vai à agência. Já o Itaú aponta um índice de eficiência 15% superior na agência virtual em relação à física.

 

Fonte: Segs / ANCD