Atrasos e erros nas entregas podem gerar multas pesadas e até paralisar atividades da empresa

 

As obrigações tributárias acessórias são todos os trâmites burocráticos que servem como base para o pagamento de tributos e também para futuras fiscalizações. Criadas nas esferas federal, estadual e municipal para controlar as informações das pessoas jurídicas na área contábil, fiscal e pessoal, elas precisam ser encaminhadas pelos contadores da forma correta e no prazo determinado para evitar complicações para seus clientes.

 

Isso porque, se a empresa entrega alguma obrigação acessória depois do prazo estipulado pelo fisco, ela recebe uma multa cujo valor pode variar de acordo com a própria obrigação, o tempo de atraso, os impostos e também o número de informações erradas que foram enviadas. Em alguns casos, o não cumprimento das obrigações pode até resultar na paralisação temporária das atividades da empresa.

 

Atualmente, contadores e clientes que não queiram correr o risco de ter problemas podem contar com a ajuda da tecnologia. Existem diversos sistemas contábeis que auxiliam a geração da informação exigida por esses procedimentos da forma correta – e dentro do prazo.

 

Confira exemplos de algumas das principais obrigações acessórias que devem ser enviadas à Receita Federal:

 

Declaração do Imposto de Renda de Pessoa Física
Esta provavelmente seja a obrigação mais conhecida de todas. O prazo para entrega é de 2 de março a 28 de abril.

 

– Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte (DIRF)
Deve ser enviada até dia 27 de fevereiro tanto por pessoas jurídicas quanto pessoas físicas para informar rendimentos e tributos retidos de terceiros.

 

– Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias DIMOB
Deve ser entregue à Receita Federal do Brasil pelas pessoas jurídicas e equiparadas.  O prazo final é 24 de fevereiro.