Imagem do artigo

Empréstimo para MEI: 5 melhores opções

Avatar
Escrito por Certificado Digital
Nota dos leitores
para este artigo:
6.7

Mesmo com toda a dificuldade diante da maior crise humanitária, há uma expansão visível no mercado. Os setores estão em busca de crescimento rápido enquanto seguem as regulamentações brasileiras, o que permite que os negócios se mantenham ativos no mercado. Isso faz com que diversos microempreendedores desejem abrir um MEI, um modelo simplificado de empresa.

A decisão é responsável e benéfica, visto que leva autonomia e legalidade a negócios de todos os tipos — tendo em vista as muitas categorias e atividades econômicas que podem ser cadastradas. Porém, nem sempre é fácil começar um negócio, especialmente do zero. Por isso, pode ser interessante entender como funciona o empréstimo para MEI.

Acompanhe a leitura e saiba mais sobre o assunto!

O empréstimo para MEI
A prática de solicitar empréstimos para alavancar os primeiros resultados de um negócio não é novidade. Ela exige planejamento e dedicação, pois, em geral, a expectativa é que os lucros trazidos pelo serviço cubram o valor do empréstimo. Contudo, por mais cuidadoso e estratégico que o empreendedor seja, é comum que ele tenha a dúvida: será que existe empréstimo para MEI?

A resposta é: sim! Essa é uma boa notícia — capaz de incentivar muitos microempreendedores a dar os primeiros passos rumo aos seus sonhos. Mas antes de começar, é importante entender como essa modalidade de crédito funciona. Mais ainda, como garantir que você terá acesso a ela.

Particularidades desse tipo de empréstimo
Em linhas gerais, os empréstimos para empresas costumam contar com algumas burocracias. Tudo depende da quantidade de capital envolvido, do histórico dos empreendedores por trás da solicitação das perspectivas futuras. É comum, inclusive, encontrar instituições financeiras que evitam ofertar crédito para autônomos. Afinal, eles não têm uma garantia de entrada fixa, o que gera instabilidade, vista como risco pelos bancos.

Entretanto, a cada ano o governo incentiva mais o Microempreendedor Individual, em busca de amparar os pequenos empresários e tirar milhares de empresas da ilegalidade. Logo, foram criadas diversas alternativas de empréstimo para MEI, permitindo que quem empreende possa escolher a mais adequada para si. Confira as particularidades desse processo!

– Documentos
Conforme é observado nos empréstimos para pessoas físicas, cada instituição seguirá um protocolo na hora de aprovar ou recusar o pedido de crédito. Porém, é possível encontrar semelhanças nos processos das principais instituições, o que nos permite saber o que esperar. Em geral, os documentos solicitados são:

  • RG e CPF;
  • comprovante de residência;
  • CNPJ e comprovações da existência da empresa;
  • dados bancários;
  • antecedentes criminais (a depender do local);
  • comprovante de endereço corporativo.

Quando o valor solicitado não é alto, é comum que as instituições peçam por documentos simples. Em seguida, realizam suas pesquisas pessoais, avaliando itens como score e comportamento financeiro. Porém, em solicitações com números mais altos, outras documentações podem ser solicitadas, como:

  • últimos três extratos bancários;
  • declaração de IR (Imposto de Renda);
  • plano de negócio;
  • registros das movimentações de fluxo de caixa.

– Solicitação virtual
O primeiro passo envolvido no empréstimo para MEI é a solicitação. Ou seja, o contato entre o empreendedor e a instituição de sua escolha. Isso costuma ser feito pessoalmente. Mas, com a pandemia, as empresas de crédito abriram possibilidades de contato por telefone ou pelo site. Nesse momento, é fundamental verificar a autenticidade das informações trocadas. Portanto, é necessário o uso do certificado digital.

Ele é um documento eletrônico que funciona como uma identidade virtual de uma pessoa ou organização. Assim, permite que documentos sejam assinados, compartilhados e geridos com respaldo jurídico, o que facilita amplamente a vida dos empreendedores da era digital. Aqui, o certificado foi citado como um benefício para quem deseja pedir empréstimo on-line, sem sair de casa. Contudo, ele pode trazer diversas outras facilidades a quem empreende, sendo interessante entender mais sobre ele.

– Demais etapas
A solicitação — independentemente de como é realizada — é o primeiro passo do empréstimo para MEI. Em seguida, é comum que a instituição já peça pelas documentações citadas acima. Lembre-se que cada companhia terá uma particularidade nesse sentido, combinado? Após a empresa de crédito conferir a veracidade dos documentos e conduzir sua própria pesquisa sobre o CPF ou CNPJ em questão, ela entrará em contato com o empreendedor.

O período de aprovação ou recusa da solicitação também varia, mas costuma girar em torno de 10 dias. Em casos mais complexos, como os de valor alto, o prazo pode atingir até 45 dias. Caso o empréstimo seja aprovado, o microempresário receberá o dinheiro. É importante conferir se a instituição não pede a abertura de conta nela mesma. Por fim, ciente das condições, termos e políticas por trás do processo, é hora de usar o valor obtido.

Lembre-se de ler atentamente as cláusulas envolvidas no empréstimo. Elas informarão detalhes fundamentais ao bem-estar do negócio e ao planejamento financeiro da empresa, como:

  • valor de cada parcela a ser paga;
  • juros e taxas envolvidas;
  • prazo do pagamento;
  • condições caso ocorra um atraso ou imprevisto, entre outros.

– Valor máximo
Não é incomum que as instituições financeiras limitem o crédito. Porém, entender, de fato, qual o valor máximo para empréstimo MEI dependerá do tipo de crédito solicitado. É comum que empresas que envolvam bens pessoais no pedido — casas ou carros como garantia, consigam valores maiores, acima de R$100 mil. Já no microcrédito, o valor máximo gira em torno de R$20 mil.

– Taxas de juros
Novamente, esse é um dado que depende das condições envolvidas no processo. Mas a média de juros do microcrédito costuma ser de 2% ao mês, o que já dá uma boa noção a quem empreende de quanto deverá pagar ao longo do tempo. No caso dos que usam bens como garantia, é possível encontrar taxas reduzidas a menos de 1% ao mês.

– Negativados
Se você deseja saber como solicitar empréstimo para MEI, mas está com o nome sujo, pode ser que precise pesquisar mais. Isso porque não é fácil encontrar instituições dispostas a correr riscos nesse sentido. Contudo, não é impossível! Basta conversar com a empresa de crédito e explicar suas particularidades — preferindo o empréstimo com garantia de bens pessoais, para aumentar as chances de aprovação.

Opções de empréstimo para MEI
Uma boa notícia: existem várias modalidades de crédito disponíveis para o Microempreendedor Individual! É interessante conferir todas, pois o prazo, os juros e outras condições específicas variam de acordo com cada uma. Acompanhe!

  1. Microcrédito – Essa é uma linha geralmente oferecida por grande parte das instituições financeiras. Isso porque, conforme dito, há um movimento em direção ao incentivo do MEI. Então, é interessante que as empresas fomentem o microempreendedorismo, o que faz com que seja mais fácil encontrar esse tipo de empréstimo para MEI por aí. Porém, isso não significa ser fácil obtê-lo ou que ele servirá para todas as organizações.
    Afinal, com essa alternativa, quem empreende recebe um valor inversamente proporcional ao porte do negócio. Assim, companhias maiores acessam valores menores, buscando reduzir o risco de inadimplência. Além disso, para que o crédito seja liberado, é importante que o empreendedor clarifique onde pretende aplicar o dinheiro, mostre projeções de resultados e converse sobre o estado financeiro da empresa.
    Também é necessário ter em mente que há um valor máximo a ser disponibilizado. Ele varia entre R$ 300,00 e R$ 15.000,00. Em geral, o prazo para pagamento não ultrapassa os 4 meses — o que exige bastante comprometimento por parte do empresário.
  1. Crédito com garantia de bens – Apesar de a primeira opção ser a mais fácil de encontrar, essa é a mais usada. Isso porque aumenta as chances de o crédito ser liberado. Ela diz respeito a um empréstimo MEI que usa como garantia os bens do solicitante. Comumente, um imóvel, mas existem instituições que aceitam automóveis. Em linhas gerais, quem solicita essa categoria de empréstimo deseja saldar as dívidas do negócio, mas não é uma obrigatoriedade.
    Caso o imóvel seja usado como garantia, é possível obter um valor de até 60% do imóvel. Em algumas situações, isso pode significar um grande empréstimo. Em adição, os prazos são bem mais flexíveis que os do primeiro item. Eles podem atingir até 30 anos de pagamento! Claro, a depender da empresa de crédito.
    O funcionamento dessa modalidade é simples: basta o empreendedor transferir seu imóvel para a instituição financeira que efetuará o empréstimo. O proprietário poderá usar a casa normalmente, mas ela será uma garantia de pagamento para a empresa que cederá o crédito. Caso ela não receba o valor combinado no prazo, terá o imóvel como cobertura.
    Pelo alto risco envolvido no empréstimo, esse tende a ser o que conta com a menor inadimplência. Portanto, o tipo favorito das instituições.
  1. Cartão BNDES – Muitos não sabem, mas o cartão do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social pode servir como uma alternativa de empréstimo para MEI. Afinal, ele se destina a fomentar a movimentação de pequenos e médios negócios. Nesse caso, o valor máximo a ser emprestado é de R$ 1 milhão. Para melhorar, as taxas de juros não costumam ser altas, enquanto os prazos de pagamento automáticos, de 48 vezes.
    Mas nem tudo são flores. O uso do cartão depende diretamente da projeção de crescimento, liberado continuamente, sem ultrapassar o limite. Além disso, a empresa precisa ter um faturamento de até R$ 90 milhões.
    No momento da análise de crédito, a situação também fica séria. Ela é efetuada por profissionais treinados pelo BNDES, presencialmente. Por fim, é fundamental atentar ao catálogo dos fornecedores recomendados. Ele serve para que o empreendedor saiba quais matérias-primas, insumos e máquinas são cobertos pelo recurso. Ao estudar o que está disponível, evita-se pedir o empréstimo e só depois descobrir que ele não cobre um equipamento, por exemplo.
  1. Crédito para capital de giro – Essa é outra modalidade encontrada em instituições que incentivam o microempreendedorismo. Ele inclui um crédito que não envolve o pagamento de juros em um período entre 5 e 15 dias, visando apenas adiantar um valor que o empresário já vendeu, mas ainda não caiu em sua conta.
    Após os dias passarem, os juros serão cobrados, variando entre 1,5% e 2,5%. Em geral, os limites de retirada são baixos, e só aumentam com o crescimento do faturamento do empreendedor. Mas, ainda assim, eles se mantêm baixos.
  1. Cheque Especial Pessoa Jurídica ou LIS – Quem já entrou em contato com algum tipo de cheque especial entenderá intuitivamente como essa categoria de empréstimo MEI funciona. A única diferença é que ela atende especificamente as companhias.
    Se você não está familiarizado, as condições são as seguintes: a instituição costuma exigir ou a Declaração Comprobatória de Percepção de Rendimentos (DECORE) ou a Declaração de Imposto de Renda antes de liberar crédito. Isso fará com ela delimite as condições envolvidas. De modo geral, essa modalidade é simples. Mas também é a que mais cobra juros (em média, de 10% a 16%), sendo recomendado usá-la apenas em último caso.

O momento ideal para pedir um empréstimo
Após saber tudo sobre o assunto, resta apenas definir a melhor hora para solicitar o crédito. Essa é uma questão que varia muito a depender da empresa e do empresário. Porém, alguns fatores em comum — e que são essenciais para o crescimento saudável do negócio — podem ser citados.

Em primeiro lugar, um bom planejamento financeiro é indispensável. De nada adianta solicitar o empréstimo MEI e não pagar por ele corretamente, se endividando, certo? Então, realize um diagnóstico e um mapeamento do negócio, organizando as contas.

Em seguida, é fundamental delimitar metas e objetivos. Eles serão os responsáveis pelo desenvolvimento contínuo do negócio, que trará o faturamento necessário para quitar as parcelas.

Por fim, só solicite o empréstimo e assine a documentação após se certificar que realmente fez a escolha ideal para seu bolso. No impulso, há empreendedores que escolhem o cheque especial, mas acabam acumulando débitos. Analise cuidadosamente as 5 opções antes de fazer a escolha final, garantindo os melhores resultados possível para alavancar os negócios!

É importante saber que existem alternativas de empréstimo para MEI disponíveis. Elas ajudam os microempresários a darem seus primeiros passos rumo ao sucesso, desenvolvendo o país economicamente e dando chances para que grandes ideias floresçam. Com as dicas deste artigo, será muito mais simples escolher o ideal para cada empresa. Conte conosco na sua tomada de decisão e retome a leitura sempre que precisar!

Aproveite a imersão no tema para conhecer algumas mudanças que o MEI sofreu em 2021!

Este artigo lhe foi útil?

Dê sua nota e comente abaixo:
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10

Obrigado pelo seu voto!

Ele será muito importante para nossa avaliação
Usamos cookies para personalizar o conteúdo, adaptar e medir anúncios, além de oferecer uma experiência mais segura a você. Ao continuar a navegação em nosso site, você concorda com o uso dessas informações. Leia nossa Política de Cookies e saiba mais.
×
Assine nossa newsletter | Assine a newsletter e receba as últimas novidades no seu email.